Archive for janeiro \23\UTC 2009

h1

Fight Poetry

janeiro 23, 2009

A vida está aí
De punhos fechados
Cerrados
Pronto para lhe deixar no chão na calçada
e você só ri

A vida vai com tudo para cima de você
Enfrenta até seus ossos
Todo o seu sangue
E você só cai no chão

Tão fundo
Tão rasteiro

Anúncios
h1

You´re like an animal

janeiro 23, 2009

You´re like an animal

Toda sua sede
Toda sua fome
Todo o seu desejo
Você é como um animal

Você todo me prende sob seu corpo
e eu sinto suas presas
Sinto sua respiração
Sinto todo o peso do seu corpo
e eu me entrego como uma presa
ao seu ataque
E você me dá a morte
Você é como um animal

eu sinto sua raiva
Sinto a sua animalidade
sinto sua selvageria
tome-me como alimento
Você é como um animal

eu queria domesticar você
Eu queria encoleirar você
Eu queria prender você
Como você faz comigo
Você é como uma animal
O mais humano dos animais
O mais animal dos humanos

Josi Vice

h1

Uma nova aberração

janeiro 23, 2009

Uma nova aberração

Os olhos pintados sem esperança
O café esfriando enquanto o corpo cansa
Quem sabe não arranque o coração
Quem sabe um anjo caído não me descubra

Já rasguei minha pele
Já toquei fundo dentro de mim
E puxei o vazio para fora
Gritando o seu nome
Eu sou a rainha do mal
Eu sou tão perfeita quanto você

Falo tão alto quanto você
Eu fui para dentro
Eu fui outra pessoa
Eu já me diverti de verdade sorrindo
Eu já me diverti de verdade estando baixo

Hoje eu poso para mais uma foto
Sorriso aberto
Porque eu sou uma nova aberração
Pronta para negar o céu
Pronta para ser mais uma ferida aberta

Piso em flores dentro de mim
Eu sou a rainha do mal
Sorrindo só para você saber que eu fico bem na foto

Josi vice
A Jaque

h1

Redenção

janeiro 6, 2009

5 de janeiro de 2008
19:17
Autor: Josi Vice
A Dayana

Eu te chamei direto do inferno
Porque tanto eu como você precisávamos de salvação
Estávamos mais perdidos que agora
Sei que continuamos perdidos
Mas agora estamos juntos
Um dentro do outro

Eu te chamei quanto eu não acreditava mais em amor
E então sentimos medo
e provamos não sermos donos de nós mesmos
E agora eu posso ver minha própria alma
Em outro alguém

quem sabe o céu não exista
Para assim eu poder só crer em um paraíso
Porque és o único lugar onde quero parar
Porque és a única verdade em que eu quero crer
E eu não me importo mais

Porque quando eu te chamei você tocou minha mão
e eu pude beijá-la
E foi quando eu percebi que estava perdido
Não havia mais volta
E eu saí do inferno com você