h1

Eu quero um amor para morder na barriga

janeiro 15, 2010

 

Eu quero um amor para chamar de meu

Porque o amor é um egoísmo

Porque o amor quer arrancar pedaço

Anúncios
h1

Magra Vida Magra

janeiro 15, 2010

 

A vida é tão magra quanto a fome, mas e você que quer ser mais magro que a vida…

 

(A foto é só para embelezar o blog)

h1

janeiro 15, 2010

A vida é como uma bela mulher e um cachorro olhando para fora da casa.

h1

janeiro 15, 2010

h1

Vírus

novembro 23, 2009

Vírus

Ei! Acorde! Para onde está indo? Pare de olhar pela janela, não há nada lá fora, só um potencial adormecido, dormente. Pensa que está a salvo na sua cama? Quem sabe diante da televisão. Mas e a sua mente?
Eis a jovem que se acorda pela primeira vez sentindo-se louca. Não uma barata, um inseto como em Kafka, mas acometida de uma loucura sem identidade interior e anterior, sentindo-se completamente nua, exposta. Mas só, como de uma solidão devastadora.
Primeiro era tédio, mal estar, náusea, cansaço, mas hoje, é loucura. Uma infecção, um vírus tomado os pensamentos.
– Bom dia, mãe.
Algo bem mecânico de dizer todos os dias. Até perder o sentido completo.
– Bom dia, filha. Dormiu bem?
– É, mais ou menos.
Lava o rosto, escova os dentes, é o começo de mais um dia, mais um, um dia que não precisava dela para acontecer e só agora, louca, ela pensava isso. Sentiu essa dor pela primeira vez.
– Que porra é essa na minha cabeça?
´´ Hoje eu abri os olhos.“ – pensa ela diante do espelho com os olhos avermelhados, arregalados. ´´ Quem sou eu além dessa realidade?“.
O que é ser? Não pode ser uma pergunta tão difícil, todo homem deveria saber. Segundo Sartre o homem está condenado a ser livre. ´´ Essa eu nunca entendi! “
Ainda somos outros, o veneno que nos vai aniquilando vem de nós mesmos. A prisão máxima é a visão do outro. Engana-se quem pensa que é o corpo ou grades. O corpo nos propicia.
O símbolo dos novos homens, dos homens livres, é o cavalo selvagem, que derruba seu dono, arrastando-o, fazendo-o conhecer o perigo da morte e a fúria animal.
Seremos nós mesmos ou a filosofia dos dominadores? Sou apóstolo da escolha, pois a escolha é liberdade, Sartre tinha razão. Sou da rebelião apostólica, a minha causa é a vida; o bem, a carne. A matéria não é tudo, o espiritual não existe.
Cristianismo, budismo, Meditação Transcendental, Iluminismo, Perfect Liberty, Hinduísmo… O ser é a razão. Foi o que as religiões me ensinaram. Agradeço e repudio todas. Eu sou templo do espírito santo, mas dizem que não sou o próprio, que blasfêmia não é perdoada, eu sou um, meu corpo sou eu.
Abster-se é um erro. A espiritualidade é vaga. Sem o êxtase a carne não é nada. O superior não dá a face, o superior só é superior por amar a si próprio e escolher diante do nada o que abraçará. A humanidade não é uma influência, pois quem é superior é livre e está só. O prazer é o paraíso, o éden e a sua nudez, a natureza.
Falta de conhecimento é fraqueza e com o fraco devo procurar a força. Não posso ser convencida. A solidão é um erro para o aprendizado experimental, o poder nasce da união das fraquezas, mas nunca um guiará o outro. A leviandade humana está em se deixar guiar.
O conformismo é um nojo. O superior age e reage. Os novos horizontes não são domínios e sim passagens. O passado não abaterá, mas fará sorrisos.
Somos como engrenagens deste mundo. Elevar-se, ser, sem transcendentalismos divinos. Morrer não intimida quem sabe que todo dia é dia de viver e vive.
O sistema sempre foi corruptível e sempre somos usados, mas há agora tempo para sermos ousados. Tudo o que nos controla nos controlará para sempre, a não ser que reajamos. Se não houver em nós um pouco de fúria, libertinagem e força de vontade para subverter as crenças, estaremos longe de ser verdadeiramente firmes.
A única verdade é o ser e a rebelião é o início da nossa consciência. A face dada é um vestígio de ignorância. Não queremos o cão. Pois amamos o lobo. Não há nada que supere o homem que se escolhe. E esse homem vê a sua existência impacífica sob o futuro do desejo do esquecimento. Querendo somente o esquecimento da sua semelhança, da sua fragilidade; esquecendo-se do amor.
´´ Não digo coisa alguma, calo-me e assim persisto e prossigo. “ – é como se porta o homem que acorda ciente do caos glorioso que precede a existência, pois só a escolha que dá uma nova ordem para um novo caos. O caos nunca é o mesmo.

h1

Rebelde ou Um Poema Ruim

novembro 13, 2009

Rebelde
ou Um Poema Ruim

Por tudo dai graças
E eu não dou
Se a tua fé for do tamanho de um grão de mostarda
e a minha não é

Não espere que eu seja educado
Eu leio Ginsberg e cuspo na rua
eu urino nas paredes no carnaval
Eu chuto pedra
eu ouço Cazuza
eu choro e não choro e choro e não choro
eu jogo cigarro no chão
Do natal eu só gosto da ceia
Eu não gosto de São João

Faz tempo que não leio
Não estudo e sem receio
solto sempre palavrão
Para muitos sou decepção

Cuido bem dos meus vícios
Podo tudo com capricho
e depois relaxo sem sacrifício
Eu ainda paro no hospício de tanta ingratidão
Mas eu não paro
Eu sou rebelde e sou feliz assim
Ponto final fim

Josi Vice

h1

[…]

outubro 27, 2009

[…]

Então não fui claro o suficiente?
Eu sou alérgico a esse mundo
Sinto-me afugentado pelos homens
Sinto-me acanhado com minhas emoções e sensibilidades
Como todo homem eu estou preso
e sei disso
e isso é horrível
é como acordar e se sentir um inseto
é como nunca ter lido Kafka
Não fui claro?
Dói tudo
Dói em mim o que não posso
eu estou preso nessa merda
Eu não posso me esticar para ver além dessa masmorra
Essa masmorra que é meu olhar
que é ser eu
Espero ter sido claro

Josi Vice